COMPORTAMENTO

PARLAMENTARISMO, o joguinho sujo de MAIA & ALCOLUMBRE.

Tivemos um parlamentarismo de agosto/1961 à janeiro/1963. Não deu certo, depois de terem mudado o primeiro-ministro três ou quatro vezes nesse curto espaço de tempo. Em 1993 houve um plebiscito em que a volta do parlamentarismo fracassou, só teve aprovação de 24% dos eleitores. Quem conhece profundamente os meandros dos fatos ocorridos, sabe que essa manobra tem conotação político-interesseira. É o que volta a acontecer agora. O Congresso e, podemos colocar o STF no jogo, estão de caso pensado. Querem ser os donos do poder.
Implanta-se o parlamentarismo e o povo fica a ver navios. Perde seu líder que é o Presidente. Perde força política como acontece na Inglaterra, França, Alemanha, Itália, Canadá, Holanda, Portugal e outros. Mas esses são países democráticos de primeiro mundo, onde tudo anda bem e de acordo com as necessidades de seu povo. Não podemos esperar isso no Brasil.
Se tivéssemos políticos verdadeiros, interagidos com as necessidades e interesses do povo e da nação, tudo bem, valeria a pena o parlamentarismo, que pelo menos colocaria as ideologias radicais fora do contexto, imagino. Daríamos um chega pra lá nos comunas e petralhas deste país.