POLÍTICA

O VACILO DE CARMEN#

O VACILO DE CARMEN

Ao soltar o criminoso Bendine – acusado de ter surrupiado três milhões de reais de dinheiro público, via Petrobrás – a trinca Gilmar, Lewandowski e Carmelita pisou na bola legalista.
A argumentação para envio do processo à primeira instância – em nome da ampla defesa – não propera, segundo juristas renomados.
A equação é simples – os delatores, no caso, eram tão reús quanto o próprio condenado. Estando no mesmo patamar, não há como ele deveria ser ouvido por último.
Essa regrinha inventada pelo STF é definida pelos doutores em Direito como chicana. Os que não estão por dentro do termo é postegar um processo, obstruir, enganar a Justiça, procedimento comum aos maus advogados.
Ainda sobre o caso. o Direito deve seguir os preceitos da Lógica – como pode um acessório sobrepor ao principal? como pode um argumento menor avançar e tomar o lugar do maior?
Uma burocracia – por eles inventada – deixou pasmos os que esperam a verdadeira Justiça desses funcionários do Estado.
Gilmar e Lewandowski já são cartas conhecidas do baralho da injustiça, mas Carmem, a doce Carmen – que já foi um dia exemplo ´para as mulheres honestas e guardiã da Constituição – foi uma amarga surpresa.
Por que ela o fez? Por incompetência, impossível. Restam especulações, que mancham sua biografia – a menos que tenha a humildade de voltar atrás.