ARTE

CCLA abre mostra com recital de canções

 

Marina Gabetta, Norma Peyrer e Maria de Lourdes Vasques

 

Fundado por Cesar Bierrembach, Prof. Henrique Maximiano Coelho Netto, José Pedro de Sant’Anna Gomes, Orosimbo Maia, entre outros importantes intelectuais da época, na Campinas de 1901, o CCLA, uma das mais antigas e respeitáveis instituições culturais de Campinas comemorará no próximo dia 31 de outubro seus 118 anos de existência. Começando a marcar essa data histórica, nesta sexta-feira, 18/10, às 19h30min, na galeria de artes e no auditório Eng. Marino Ziggiatti, o CCLA (rua Bernardino de Campos, 989, Centro, tel. 3231-2567) abrirá as comemorações alusivas com a mostra “Arte em Preto e Branco”, com curadoria de Marly Stracieri, e um recital lírico reunindo as sopranos Marina Gabetta e Norma Peyrer, com acompanhamento ao piano da Profa. Maria de Lourdes Vasques. Em visita especial ao CCLA estará presente a Miss Campinas, Marina Tribiolli Bazzi.

Na parte musical o público ouvirá as composições Lascia  ch’io  pianga – George F. Händel, Caro mio Ben – Giuseppe Giordano, Conselhos – Carlos Gomes, Recomendação – Babi de Oliveira, Eres Tú – Juan C. Calderon, Moon River – Andy Williams, Edelweiss – Richard Rodgers (A Noviça Rebelde), O Mio Babbino Caro – da ópera Gianni Schicchi – G. Puccini, Climb E’very Mountain – Richard Rodgers (A Noviça Rebelde), Addio del Passato – ária da ópera La Traviata – G. Verdi (Marina), Che  faró  senza  Euridice – da opera Orfeo ed Euridice – Cristopher W. Gluck e Summertime – da opera Porgy and Bess – George Gershwin.

Os artistas plásticos que expõem são eles: André Zanotti, Angela Ramalho, Arthur Blade, Célia Paulino, Eufrazia Fregonesi, Fatima Pedrosa (fotógrafa), Geni Fuzato Dagnoni, Jane Ambrozini, João Batista (escultor), João Van Der Veen, Joel Gonçalves, Liza Ellwanger, Maria Celeste Roiuk, Marli Bonfante, Miriam Cook, Rafael Sosa, Rejane Eagleton, Tânia Stefanelli Said, Tina Malfatti, Valdete Bazzi e Vera Sofia. O artista plástica e marchand de artes, Licia Simoneti, fará participação especial.

Norma Peyrer é soprano, cursou Técnica Vocal e Cênica com Dalva Torres, Regina Silva, Eduardo Ferreira, Samuel Valli e regente Jairo Perin. Atualmente cursa Técnica Vocal com a professora Ruxelli Bergamaschi e o regente Sérgio Akira Kawamoto. Participa do Coral Collegium Voccale de Campinas, regência Sérgio Akira Kawamoto e Coral Unicamp Zíper na Boca, regência Vívian Nogueira. Participou como coralista das óperas Cavalleria Rusticana, de Pietro Mascagni, em 2001, no Teatro Castro Mendes, regência Carlos Fiorini e em 2019, regência Víctor Hugo Toro; coro da ópera Lo Schiavo,de Carlos Gomes, em 2004, no Teatro Castro Mendes, regência Cláudio Cruz; coro da Cortina Lírica “A Noite do Castelo”, de Carlos Gomes, em 2011,no Centro de Convivência Cultural, regência Hermes Coelho; coro da Cortina Lírica “ Joanna De Flandres” de Carlos Gomes, em 2013, no Teatro Castro Mendes, regência Víctor Hugo Toro e a ópera Die Fledermaus, de Johann Strauss, em 2019, no Teatro de Paulínia, regência Cinthia Alireti.

Atuou como protagonista no espetáculo “Evita”, de Andrew Lloyd Webber e Tim Rice, tendo como regente o maestro Edson Frederico e a direção de Victor Berbara. Esteve em cartaz por um ano no Teatro Cultura Artística, em São Paulo, com a montagem do clássico Cyrano de Bergerac, de Edmond Rostand, com a direção de Flávio Rangel, contracenando com o reconhecido ator, Antônio Fagundes. Participou da montagem do espetáculo “100 anos de Broadway”, no Teatro Castro Mendes em Campinas. Recebeu em 2007, da Câmara Municipal de Campinas, a Medalha “Carlos Gomes”, por sua atuação no campo cultural e artístico do município de Campinas. Solista do renomado espetáculo piro-musical “Gênesis”, em dezembro, nos anos de 2007, 2008, 2009 e 2010. Em junho/2009, apresentou-se interpretando canções do clássico brasileiro de autores como Marcelo Tupynambá e Carlos Gomes, com a Orquestra de Câmara “Ars Musicalis,” sob regência do maestro Hermes Coelho, no Centro de Convivência de Campinas- SP. Em julho, apresentou-se no show “Eternamente III”, com o tenor César Kalau, no teatro do Colégio Dom Barreto, Campinas-SP. Participou do concerto comemorativo das 1000 apresentações dos “Encontros Musicais” da ABAL (Associação Brasileira Carlos Gomes de Artistas Líricos), interpretando canções do compositor campineiro Carlos Gomes, com a Orquestra “Ars Musicalis”, sob a regência do maestro Hermes Coelho. Apresentou-se com o tenor Khodo Tanaka em momentos da ópera “Tosca”, no Centro de Ciências e Artes, Campinas-SP. Cantou no recital “Heróis e Heroínas de Gomes” nas comemorações do Mês Carlos Gomes, na Sala Carlos Gomes, Campinas-SP. Recebeu o troféu “Staff de Ouro”, como melhor cantora erudita do ano da cidade de Campinas. Apresentou-se no Teatro Municipal de Jaguariúna, com a Filarmônica de Valinhos. É Diretora Social da ABAL Campinas.

Maria de Lourdes Vasques Leite, pianista, é Graduada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Formada em Piano e Violoncelo pelo Conservatório Carlos Gomes; Integrante da Orquestra Filarmónica de Valinhos e da Orquestra Comunitária da Unicamp.

No aniversário do CCLA, em 31 de outubro, está previsto recital comemorativo, às 20 horas.

Entrada franca.