SAÚDE

África: Com baixas taxas de vacinação, mortes por Covid estão muito abaixo da Europa e dos EUA

Posted by Thoth3126 on 05/12/2021
Desde o início do pânico covid-19, a narrativa tem sido esta: implemente bloqueios severos, usem ‘focinheiras”, pratiquem o distanciamento social, vacine-se, quantas vezes for imposto, ou sua população passará por um banho de sangue. Hospitais e cemitérios serão sobrecarregados de corpos, o número total de mortos será impressionante. Por outro lado, não era seguro de que não bloquear, mascarar e vacinar as populações se veria apenas uma fração do número de mortos.
Fonte: Mises.Org
Então, uma vez que as vacinas foram disponibilizadas, a narrativa foi modificada para “Receba as injeções em seus braços e então a covid parará de se espalhar. Aqueles países sem vacinas, por outro lado, continuarão a enfrentar vítimas infectadas e mortes em massa.”
A narrativa do bloqueio, é claro, já foi completamente anulada. As populações que não bloquearam ou adotaram apenas bloqueios fracos e curtos acabaram com taxas de mortalidade covid que eram semelhantes ou até melhores do que as taxas de mortalidade em países que adotaram bloqueios draconianos. Os defensores do bloqueio disseram que os países bloqueados estariam em uma situação muito melhor. Essas pessoas estavam claramente erradas.
Destemidos pela crescente implausibilidade da narrativa do bloqueio, os burocratas da saúde global estão dobrando a imposição das vacinas forçadas – como vemos agora na Áustria – e continuamos a ter certeza de que apenas os países com altas taxas de vacinação podem esperar evitar resultados desastrosos pela covid.
No entanto, a experiência na África Subsaariana questiona essas duas narrativas: os números da África têm sido muito, muito mais baixos do que os especialistas avisaram que seria o caso.
Por exemplo, a AP relatou esta semana que, apesar das baixas taxas de vacinação, a África se saiu melhor do que a maioria dos países do mundo:
[E] aqui está algo “misterioso” acontecendo na África que está intrigando os cientistas, disse Wafaa El-Sadr, presidente de saúde global da Universidade de Columbia. “A África não tem as vacinas e os recursos para combater o COVID-19 que existe na Europa e nos EUA, mas de alguma forma eles parecem estar melhor”, disse ela….
Menos de 6% das pessoas na África são vacinadas. Durante meses, a OMS descreveu a África como “uma das regiões menos afetadas do mundo” em seus relatórios semanais de pandemia.
No entanto, o desastre para a África foi previsto há muito tempo por várias razões, além da disponibilidade de vacinas. Por exemplo, sabe-se que os bloqueios são especialmente impraticáveis ​​nas partes mais pobres do mundo. Isso ocorre porque as populações em lugares com economias subdesenvolvidas não podem simplesmente ficar em casa e viver de poupanças ou dívidas. Em vez disso, essas pessoas devem sair pelo mundo e ganhar a vida diariamente. Morrer de inanição pela fome é a alternativa. Além disso, muito desse trabalho é feito na economia informal, portanto, impor bloqueios se torna especialmente difícil, senão impossível sob tais condições de pobreza.
Também foi assumido que o vírus covid seria especialmente mortal na África devido ao fato de muitas famílias grandes viverem em pequenas unidades habitacionais, sem saneamento básico e assistência médica regular. Mas essa “sabedoria convencional” vai contra a realidade da covid na África, a de que é houve menos mortes do que em qualquer outro continente.
Os “especialistas” tateiam em busca de explicações possíveis [ao invés de aceitar o fato de que a pandemia É UMA GRANDE FARSA].
Algumas fontes, por exemplo, insistem que os baixos números totais de mortalidade são apenas um artefato de relatórios incompletos sobre infecções covid no continente africano e que ” a falta de dados qualitativos de qualidade era o problema “.
Mas Richard Wamai, da Northeastern University, rejeita a alegação de que tudo gira em torno da notificação de casos e diz que ” os sistemas locais de notificação de mortes na África tornam difícil ocultar as vítimas do COVID-19 “. Em um artigo para o Jornal Internacional de Pesquisa Ambiental e Saúde Pública , Wamai e seus co-autores concluem, “[T] aqui não há evidência de que os dados de mortalidade do COVID-19 sejam relatados com menos precisão na África do que em outros lugares” e “Embora a imagem verdadeira de infecções e mortalidade no continente ainda não emergiram totalmente, a qualidade dos dados para outras doenças, como HIV / AIDS, indica que a África tem a capacidade de coletar e relatar dados válidos de vigilância de doenças”.
Em qualquer caso, a Organização Mundial de Saúde relata que as mortes por covid na África, deçpois de quase dois anos de pandemia, representam apenas 2,9 por cento das mortes por coronavirus, enquanto a população da África é 16 por cento do total global. O número total de infectados da África poderia dobrar ou triplicar, e a África ainda estaria se saindo muito melhor do que a Europa e as Américas, o assim chamado “primeiro mundo”.
Wamai et al. observa também que neste ponto “[i] t é provável que o SARS-CoV-2 já tenha sido amplamente disseminado pela África … Se for assim, a infecção generalizada provavelmente também resultará em imunidade natural generalizada.”
Em outras palavras, as alegações contínuas de “autoridades” de saúde – tanto na África quanto em outros lugares – de que a morte em massa está ao virar da esquina com a “próxima onda” [ou nova variante usando uma letra do alfabeto grego, até que ele acabe…]parecem cada vez mais implausíveis.
Parece cada vez mais provável que a falta de mortalidade da covid na África e a ausência de “uma grave crise covid” não se deva a um problema de dados nem a uma situação em que a covid tenha sido “contida” até agora. Então, por que a África está se saindo muito melhor do que o rico e amedrontado Ocidente?
Naturalmente, os defensores de bloqueios forçados e vacinas coagidas prefeririam ignorar esse problema por completo, mas a realidade inegável da experiência da África forçou os pesquisadores convencionais a admitir publicamente as muitas maneiras que muitos fatores podem explicar a prevalência de covid além das taxas de vacinação e mandatos de máscara.
Por exemplo, mencionar que a obesidade é um fator importante na mortalidade covid, no passado, provavelmente gerou um ataque violento na mídia por “envergonhar a gordura”. No entanto, a situação da África forçou os bem informados a admitir que sim, as populações obesas claramente sofrem mais com a covid. Na África, não surpreendentemente, descobrimos que as taxas de obesidade estão muito abaixo das encontradas na América do Norte e na Europa.
Outras explicações possíveis encaminhadas como razões para a situação favorável da África incluem exposição anterior a outros coronavírus , populações jovens, menos pacientes sem zinco e vitamina D , uso anterior da vacinação com Bacillus Calmette-Guérin, clima, histórico genético e carga parasitária .
Ao abordar o “enigma” africano, um grupo de pesquisadores da revista Colombia medica ousou até mesmo sugerir que é possível – embora não seja conclusivamente mostrado neste ponto – que “uma campanha preventiva de saúde pública em massa contra COVID-19 possa ter ocorrido, inadvertidamente, em alguns países africanos com uso massivo de ivermectina nas comunidades”.
No Ocidente, no entanto, o tambor da propaganda e propagação do pânico covid da mídia pre$$titute$ em torno da “terrivel” pandemia tem sido consistentemente “Cale a sua boca, fique em casa, use focinheira, seja injetado e pare de duvidar dos “especialistas” em vacinas de modificação genética mRNA impostas”, e a maioria, bovina e cegamente, obedeceu. Felizmente, porém, a situação africana obrigou muitos pesquisadores a fazer perguntas muito inconvenientes.
Na verdade, é incrível que a África não tenha sido abatida pela morte em massa de seus cidadãos pouco assistidos, considerando que bloqueios e medidas covid de “mitigação” contribuíram para o empobrecimento e a fome em massa no continente. Ou como DW Notícias coloca , “medidas postas em prática para diminuir a propagação dos novos coronavírus está empurrando milhões de pessoas na África para a fome severa.” E, como observa Wamai, “alguns números do excesso de mortes na África“ não podem ser atribuídos à doença, mas às medidas de bloqueio que cortam o acesso a cuidados médicos para outras doenças”.
Mas a África não teve o banho de sangue prometido e, como disse um nigeriano , “Eles disseram que haveria cadáveres nas ruas e tudo mais, mas nada disso aconteceu”. [e jamais acontecerá, porque se trata de uma gigantesca FARSA, a que os cidadãos ocidentais, os bem informados moradores do “primeiro mundo”, aceitaram bovinamente viver…]
“Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1
Curtir

 

Comentar
Compartilhar

0 comentário

 

16 min 

Passeando com meu 💖💖💖

 

 

Ver original

 

Classifique esta tradução

 

 

Pode ser uma imagem de 7 pessoas, pessoas em pé e ao ar livre

 

 

Tereza Célia Gatti Padilha, Carmen Arduino e outras 4 pessoas